Piolhos X Dimeticona (4%)

bf930c_08ca2e8869f1fece35d767fbf0fc6cadPediculose (Piolho)

É uma doença provocada pela infestação de Pediculus humanus var capitis (piolho) e lêndeas no couro cabeludo. Atinge preferencialmente crianças em fase escolar.

O que é o piolho?

pq_o_piolho_faz_a_cabea_coar

É um inseto que se alimenta de sangue humano, parasita o couro cabeludo e vive em torno de 30 dias. Não voa e não pula.slide_18

A fêmea deposita seus ovos (lêndeas) presos ao fio de cabelo e pode colocar até 300 ovos durante sua vida.300px-Headlice

Uma lêndea leva cerca de dez dias para sair do ovo e se tornar adulta. Cada uma mede 0,3 mm de comprimento, enquanto um piolho chega a 3 mm e vive até 40 dias.

Sintomas

O primeiro sintoma costuma ser uma intensa coceira (prurido) no couro cabeludo, principalmente na região da nuca e atrás das orelhas.

Na pediculose da cabeça, além do prurido intenso, podemos visualizar o parasita e seus ovos (lêndeas) no couro cabeludo do indivíduo acometido.Imagem7

Pode ocorrer infecção secundária em qualquer região. Na pediculose do couro cabeludo é comum o aparecimento de linfonodomegalia (ínguas) atrás das orelhas e na nuca.

Consequências

piolhos

A intensa coceira no couro cabeludo pode ocasionar feridas, que são portas abertas para infecções bacterianas, como impetigo, além do aparecimento de gânglios, ansiedade e desconforto que leva ao baixo rendimento escolar.

piolho1 (1)

Como transmite?

A transmissão acontece:

  • pelo contato pessoal (direto) dos indivíduos infestados.
  • pelo uso coletivo de utensílios como: pentes, bonés, travesseiros, lenços de cabeça, presilhas, almofadas, chapéus, gorros etc.

piolho

Como evitar?

  • Lavar a cabeça, diariamente, evitando deixar os cabelos úmidos. Prender os cabelos somente quando estiverem secos.
  • Inspecionar a cabeça diariamente à procura de piolhos e lêndeas.
  • Passar assiduamente o pente fino para retirar piolhos e ninfas (piolhos em desenvolvimento).
  • Não entrar em contato com pessoas infestadas.
  • Não usar de forma coletiva: travesseiros, pentes e os demais objetos supracitados.parasita-piolho-3-728

Como tratar?

No tratamento da pediculose são utilizados, em geral, os mesmos medicamentos tópicos usados na escabiose (“sarna”).

piolho (1)

É fundamental o tratamento dos familiares ou comunicantes do doente. Raramente é necessário o corte de cabelos de crianças acometidas.

Ao contrário do que muita gente pensa, a membrana que protege o ovo do piolho é super-resistente, feita de quitina, uma substância que compõe o esqueleto externo (exoesqueleto) dos artrópodes.img_2230_apa_1274_orig

Portanto, para retirar a lêndea é preciso escorregá-la até o fim do fio. Se você não eliminar os ovos, o animal vai continuar se proliferando.

Alguns autores recomendam que a aplicação de uma solução de dimeticona (a 4%), repetida após uma semana, tem resultados superiores aos encontrados com permetrina (1%). Vide artigos abaixo.

Secador de cabelo

Secando-o-Cabelo

O secador de cabelo, usado com os fios secos, é uma arma importante para combater o piolho.

Usado da maneira correta, ele pode deixar a região com até 56 graus e matar o bicho pelo excesso de calor.

Avisar à escola

Além disso, uma das atitudes mais importantes para o tratamento é informar o colégio do seu filho que ele está com piolho. As escolas já estão acostumadas com esse tipo de aviso e devem manter sigilo sobre a criança, mas com certeza vão avisar os outros alunos por meio de uma circular ou um recado na agenda, para os pais tomarem alguns cuidados.

Esse tipo de comunicado é importante, porque ajuda a tratar o piolho assim que ele aparecer. Se você recebeu um aviso da escola dizendo que a cabeça do seu filho está infestada por esses insetos, faça uma conferência regularmente.

O combate comunitário é defendido pelos profissionais de saúde.tratar-piolhos-500x400

  • Passar frequentemente o pente fino, no mínimo uma vez ao dia.
  • Para cabelos crespos ou ondulados, use antes um creme rinse ou creme para pentear.
  • Quando estiver passando o pente fino, utilize sempre um pano (se possível, branco) evitando assim que os piolhos caiam na roupa.
  • Os piolhos, lêndeas e ninfas que caírem no pano, devem ser deixados em vinagre diluído em água por um período de 30 minutos, para que sejam mortos.

img_o_ciclo_de_vida_dos_piolhos_2230_300

Retirar todas as lêndeas de acordo com os seguintes passos:

  1. Molhar um pedaço de algodão em vinagre (diluído em água na proporção de 1:1)
  2. Selecionar 3 ou 4 fios de cabelo que estejam com lêndeas;
  3. Com ajuda do algodão embebido em vinagre diluído, envolver os fios de cabelo (3 ou 4 no máximo) pressionando-os entre os dedos;
  4. Puxar lentamente no sentido da base do cabelo para a ponta e com a outra mão, segurar a base do cabelo para não machucar a criança;
  5. Trocar sempre que necessário o algodão, desprezando-o em um frasco com vinagre diluído em água para matar as lêndeas.

Ferver os objetos pessoais, tais como: pente, boné, lençol e roupas.

Nunca usar querosene, Neocid ou qualquer outro inseticida, pois são perigosos e tóxicos ao ser humano.

http://www.fiocruz.br/bibmang/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=90&sid=106

http://www.sbd.org.br/doencas/pediculose-piolho/

http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2012/02/piolhos-e-lendeas-nao-tem-relacao-com-falta-de-higiene-dos-cabelos.html

tipos-de-piolho-com-logo-tt-width-641-height-329-bgcolor-FFFFFF

Mitos e verdades sobre a infestação de piolhos

1. Piolho se alimenta com sujeira?

R.: Não. Piolho se nutre de sangue, não da sujeira do cabelo.

2. Por que adultos não pegam piolho?

R.: Pegam sim, mas o contato entre as cabeças de crianças é maior, facilitando o contágio.

3. Piolho transmite doenças?

R.: Não. Mas feridas na cabeça causadas pela coceira podem acarretar infecções.o-empediculos-humanos-capitisem-piolho-encontrado-na-cabeca-5669e69d0bfe0

4. Piolho entra em cabelo com química de alisamento ou tintura?

R.: Sim.

5. Chapinha ou secador quente matam o piolho?

R.: Não, só estouram os ovos e aumentam a infestação.

6. Vinagre, cachaça e outras químicas do tipo matam o piolho?

R.: Não há nada na literatura científica que comprove a cachaça, já o vinagre é aliado das mães por facilitar a retirada das lêndeas.

7. Crianças alérgicas têm mais piolho?

R.: Não há nada comprovado, mas alérgicos suam mais no couro cabeludo, e parasitas adoram ambientes quentes.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/sociedade/saude/conheca-mitos-verdades-sobre-infestacao-de-piolhos-8357285#ixzz4B2MKNki4

info_piolho_05_02

 

 

Artigo 1:
Burgess IF, Brunton ER, Burgess NA. Single application of 4% dimeticone liquid gel versus two applications of 1% permethrin creme rinse for treatment of head louse infestation: a randomised controlled trial. BMC Dermatol 2013; 13:5.

Commentary

Head lice’s impact far exceeds its importance as a physical health problem. Although itch, papular erythema, and cervical adenopathy may occur in some patients, perhaps the more significant health impact of pediculosis is on mental health and not necessarily of the pediatric host.1

Feelings about head lice are universally negative ranging from mild displeasure on finding the insects to severe anxiety and even depression. Many negative issues associated with treatment have been identified, including the time treatment takes with no guarantee of cure.2

Insecticide resistance has made control more difficult at the individual and populations levels. Many pediculicides have to be combined with removal of lice by combing to achieve acceptable results. The introduction in 2007 of the dimeticones chemicals that kill climbers and eggs by physical means, heralded a new era in treatment of pediculosis. The study by Burgess et al will be welcome news to parents and guardians of primary school children, the main group that acquires pediculosis. It demonstrates that a topical gel treatment containing 4% high molecular weight dimeticone applied once for 15 minutes and washed off is effective in treating pediculosis in the UK. The UK is a tough testing ground for pediculicides because efficacy always seems decreased there compared with other countries.3

The final efficacy of 70% is not spectacular, it is good for the UK. Dimeticone was compared with a well-established two treatment regime of 1% permethrin, known “on the street” to be ineffective, in spite of well-documented resistance increasing in prevalence and intensity, it is still the insecticide recommended by many health authorities and systematic reviews. The final efficacy of permethrin was appalling at 15%. This prompted Burgess et al to ask why permethrin has not been removed from the market. Regulatory authorities face a conundrum: there are many head lice products and studies on efficacy are few. Furthermore, the prevalence of insecticide resistance varies with location, and even within a country, so multiple suitably-powered studies in different locations would be required. How can an authority de-register one product with demonstrated low efficacy when there are no current data on competing products? There is no agreement on which level of efficacy should trigger de-registration. An argument also could be made that resistance testing of lice in cases of pediculosis (a lice insecticidogram) is now needed to enable selection of the appropriate product.

The ineffectiveness of permethrin, based on suitable local evidence, should be widely publicized. Health authorities should change the recommended pediculicide from permethrin to the dimeticones, as has occurred in some jurisdictions in Australia. Burgess et al are to be congratulated, both for a well-conducted study that offers some relief for parents battling pediculosis and for raising the issue that health authorities need to promote decreased use of ineffective pediculicides. In practice, the most effective agents of change may be commercial watchdogs (more than health authorities) with an interest in combating misleading product claims.

Conclusions

The study showed one 15-minute application of 4% dimeticone liquid gel was superior to two applications of1% permethrin crème rinse. The low efficacy of permethrin suggests it should be withdrawn.

Tentativa de tradução:

Conclusões

O estudo demonstrou que uma aplicação de 15 minutos de gel de dimeticona líquido a 4% foi superior a duas aplicações de 1% de creme rinse com permetrina. A baixa eficácia da permetrina sugere que ela deveria ser retirada do mercado.

Referências

  1. Parison, J.C., Speare, R., and Canyon, D.V. Head lice: the feelings people have.Int J Dermatol.2013;52: 169–171
  2. Parison, J., Speare, R., and Canyon, D.V.Uncovering family experiences with head lice: the difficulties of eradication. Open Dermatology J. 2008; 2: 9–17
  3. Kurt, O., Balcioglu, J.C., Burgess, I.F., Limoncu, M.E., Girginkardesler, N., Tabak, T. et al.Treatment of head lice with dimeticone 4% lotion: comparison of two formulations in a randomised trial in rural Turkey. BMC Public Health. 2009; 9: 441novaescola226-bastapiolho
Artigo 2:

Balcioglu IC; Karakus M; Arserim SK; Limoncu ME; Töz S; Bastemur S; Öncel K; Özbel Y. Comparing the Efficacy of Commercially Available Insecticide and Dimeticone based Solutions on Head Lice, Pediculus capitis: in vitro Trials. Turkiye Parazitol Derg; 39(4): 305-9, 2015 Dec.

OBJECTIVE: Head lice infestation is a public health and social problem for almost all countries worldwide. For its treatment, insecticide and dimeticone-based solutions are currently available in the markets in many countries. We aimed to compare the efficacy of commercially available anti-head lice shampoos containing insecticide and physically effective products with different percentages of dimeticone using an in vitro technique. METHODS: Head lice specimens were collected from primary school children using special plastic and metal combs. Anti-head lice products were commercially purchased and used directly. The specimens were placed one by one in 5-cm Petri dishes containing a slightly wet filter paper and were kept in a plastic cage at 28±2°C and 50%±20% relative humidity. A standardized protocol was used for testing all the products, and mortality data were obtained after 24 h. Two control tests were performed with each batch of trials. For each product and control, 10-20 head lice specimens were used, and the results were statistically analyzed. RESULTS: Our study demonstrated that among all the tested products, two products containing mineral oils [5.5% dimeticone & silicone (patented product) and dimeticone (no percentage mentioned in the prospectus) & cyclopentasiloxane] were found to be more effective for killing head lice in vitro. CONCLUSION: Physically effective products can be repetitively used because they are non-toxic and resistance to them is not expected. To control the infestation at a public level, the use of these products needs to be encouraged with respect to their cost price.piolho (2)Artigo 3:

SPEARE, Richard. A single application of dimeticone is superior to two applications of permethrin in ridding head lice. James Cook University, Queensland, Australia. The Journal of Pediatrics. V.163, Issue 5, Pages, 1528–1532, November 2013

piolho1

 

 

Um comentário em “Piolhos X Dimeticona (4%)”

  1. Parabéns, dr. Fernando, pela excelente aula de parasitologia!
    E faço votos para que continuo sendo altruísta!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.