Proteínas no primeiro ano X Síndrome metabólica

A oferta proteica no primeiro ano de vida pode interferir no risco de obesidade e síndrome metabólica?

Proteínas demais

estrutura proteica

As fórmulas lácteas utilizadas no primeiro ano de vida oferecem, na sua grande maioria, maior aporte proteico em comparação ao leite materno.

proteinas

Causas de obesidade

Vários fatores são conhecidos como predisponentes de obesidade tardia na criança e/ou adolescente: obesidade ou subnutrição maternas durante a gestação, diabetes gestacional, rápido/excessivo ganho de peso no primeiro ano de vida e alto aporte proteico precoce.
download
Nutrição adequada

As necessidades proteicas do lactente diminuem significativamente durante o primeiro ano de vida.

1

Durante os primeiros meses de aleitamento materno e após os 6 meses da adição de alimentação complementar adequada, normalmente se oferece o aporte proteico necessário para o bom crescimento e o ganho de peso.

piramide

Menos proteína, menos obesidade 

ABAAABYeoAB-1

Um estudo recente revela que a oferta de fórmula com menor teor proteico (1,65 g/100 kcal) reduziu o risco de obesidade em crianças de até 24 meses em comparação com a fórmula de maior teor proteico (2,7 g/100 kcal) em filhos de mães obesas.

baby-eating-steak

Intervenções educacionais: família + escola

Devido à gravidade do problema da obesidade e da potencial Síndrome Metabólica, há a necessidade de ênfase nas atitudes que promovam a diminuição da prevalência destas condições clínicas.

0213-Manual-da-Lactante-SITE-07

As intervenções educacionais apresentam resultado efetivo, mas limitado.

materia-5s

Incentivar o aleitamento materno

aleitamento-materno

A promoção do aleitamento materno é, sem dúvida, uma das principais medidas para reduzir o problema a médio prazo.

A redução da oferta proteica após os 3 meses em crianças que recebem fórmulas pode ser mais uma medida efetiva para reduzir a obesidade na infância e adolescência.

amamentacao

IMC

Ainda são raros os estudos que avaliam fatores relacionados à alimentação que têm impacto na evolução do índice de massa corpórea e no risco de obesidade a mais longo prazo, como na idade escolar.

ABAAAgke0AB-2

Childhood Obesity Project

Estudo recente de Weber M et al. avaliou se a diminuição da oferta proteica reduziria o índice de massa corpórea e a prevalência de obesidade aos 6 anos de idade.

card_refei

O The Childhood Obesity Project foi conduzido por um grupo multicêntrico europeu em estudo (randomizado e duplo-cego) que envolveu recém-nascidos saudáveis.

slide_9

Os lactentes alimentados com fórmula láctea (n=1.090) foram randomizados para receber oferta com maior teor proteico (HP) ou menor teor proteico (LP) (dentro das recomendações internacionais) no primeiro ano de vida.

eating baby girl

A oferta proteica foi aproximadamente 1 g/kg de peso corpóreo mais elevada no grupo HP aos 3 e 6 meses de idade e 0,5 g/kg de peso corpóreo mais elevada aos 12 meses de idade (todos com P<0,001).

slide_1

Um total de 588 lactentes foi amamentado ao seio materno, estabelecendo-se como grupo de referência e de controle.

post240_08-09-15_01

Foram avaliados como desfechos finais peso e estatura de 448 (41%) crianças alimentadas com fórmula aos 6 anos de idade.

cropped-cabecalho_nutricao11

Resultados 

As crianças do grupo HP tiveram significativamente maior índice de massa corpórea (IMC) (de 0,51; IC de 95%: 0,13-0,90; P=0,009). As crianças do grupo HP tiveram IMC significativamente mais elevado aos 6 anos de idade.

função grupos alimento

O risco das crianças do grupo HP de se tornarem obesas foi 2,43 (IC de 95%: 1,12-5,27; P=0,024) vezes maior do que nas do grupo LP.

proporo-dieta-equilibrada-crianas_A

As medidas antropométricas foram semelhantes no grupo LP e nas crianças amamentadas ao seio materno.

Conclusões

MATERIA_E_INFO_CARDAPIO_CRIATIVO_copy

Assim sendo, um menor suprimento de oferta proteica, de forma mais semelhante ao leite materno, pode atenuar o ganho de peso precoce e a obesidade tardia.

palhaço comida

Um dos melhores preditores do risco de obesidade tardia parece ser o ganho de peso durante o primeiro ano de vida.

provinha

Veja mais detalhes em:

http://ajcn.nutrition.org/content/99/5/1041.full.pdf+html
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4086775/

imagem1

Artigo de referência: Weber M, Grote V, Closa-Monasterolo R, Escribano J, Langhendries JP, Dain E, Giovannini M, Verduci E, Gruszfeld D, Socha P, Koletzko B; European Childhood Obesity Trial Study Group. Lower protein content in infant formula reduces BMI and obesity risk at school age: follow-up of a randomized trial. Am J Clin Nutr. 2014 May; 99(5): 1041-51.

Dr. Artur Figueiredo Delgado -http://www.nestlenutrition.com.br/comentarios-dos-especialistas/detalhe/dr-artur-figueiredo/2016/08/15/a-oferta-proteica-no-primeiro-ano-de-vida

Campanha de vacinação (adiada para setembro) será menor

Esperada geralmente para o mês de agosto, a campanha nacional de vacinação contra a poliomielite será adiada e também passará por mudanças.

poliomielite-2-638

De 6 meses a 5 anos

Neste ano, a vacina passa a ser indicada apenas para crianças entre seis meses e cinco anos que não tenham tomado até agora todas as doses recomendadas para proteção.

slide_21

A ideia é incentivar a atualização da carteira de vacinação, sem fazer com que a vacina oral (“gotinha”) seja aplicada de forma indiscriminada para todas as crianças dessa faixa etária.

No final do inverno

Antes esperada para agosto, a campanha de mobilização para a vacinação também deve ocorrer a partir da segunda quinzena de setembro.

download

A avaliação é que as olimpíadas poderiam diminuir a adesão à vacina, além de demandar mais esforços da rede de saúde.

A verdade

No entanto a imprensa descobriu que o adiamento ocorreu por problemas de fornecimento e no cronograma do laboratório de Bio-Manguinhos, da Fiocruz, responsável pelas vacinas.

polio

Questionado, o laboratório nega falta de vacinas e diz que o adiamento ocorre devido a mudanças na produção das vacinas contra a pólio neste ano, conforme nova orientação da OMS (Organização Mundial da Saúde).

Nota “oficial”

O Ministério da Saúde respondeu que as mudanças na campanha “não prejudicam a imunização da população”, uma vez que a poliomielite está erradicada no Brasil desde 1990 e que as doses necessárias para proteção estão garantidas.

slide_13

A vacina contra a pólio é aplicada em três doses injetáveis, no 2º, 4º e no 6º mês de vida do bebê. Em seguida, são indicadas duas doses de reforço da versão oral, a gotinha, aos 15 meses e aos 4 anos.

Poliomielite

Doses desnecessárias

Segundo especialistas da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), o modelo anterior da campanha fazia com que muitas crianças recebessem várias doses extras sem necessidade.

ADOLESCENTES

A campanha de vacinação também será voltada à atualização da vacinação de  crianças e adolescentes de 9 a 14 anos contra outras doenças –em caso de doses esquecidas ou a vencer.

Meninas, por exemplo, poderão receber a imunização contra o HPV, que protege contra câncer de colo de útero.

“É uma campanha de multivacinação. A novidade é que não será só para crianças, mas também para adolescentes, que é um público em que as taxas [de vacinação] baixam muito. Precisamos mudar essa cultura de que vacinação é só para crianças”, diz Renato Kfouri, da SBIm.

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2016/07/1788394-vacinacao-contra-a-polio-e-adiada-e-adolescentes-poderao-tomar-dose.shtml

Veja o Calendário Vacinal 2016 (SBIm):

calend-crianca-sbim-2015-16-160608-16-spread

Site do Ministério da Saúde, mais uma vez, desatualizado.

Embora o calendário vacinal tenha sido alterado pelo Ministério da Saúde em 2016, sua página oficial continua desatualizada. Por exemplo, as informações sobre poliomielite são de 18/6/14.

Detalhes –  Criado em 18 Junho 2014

Vacinação

a-doena-poliomielite-vacinas-vip-e-vop-5-638

O Brasil adota em seu esquema vacinal básico a vacina antipólio oral (VPO – Sabin), no seguinte esquema: 1ª dose, aos 2 meses; 2ª dose, aos 4 meses; 3ª dose, aos 6 meses; reforço, aos 15 meses.

Quando dizer que a criança está imunizada

Entende-se por criança adequadamente vacinada aquela que recebeu três ou mais doses da vacina oral contra a Poliomielite, com um intervalo mínimo de 30 dias entre cada dose.

Em ambas as atividades (vacinação de rotina e campanhas), devem ser alcançadas coberturas vacinais altas (95%) em todos os municípios.

a13tab2

Esquema Sequencial VIP-VOP

Vacina Poliomielite 1,2 e 3 (atenuada) – VOP

Esquema:

Administrar duas doses, aos dois e quatro meses de idade, com intervalo de 60 dias. Em situação epidemiológica de risco, o intervalo mínimo pode ser de 30 dias entre elas.

Completar o esquema de vacinação com a vacina poliomielite 1,2 e 3 (atenuada)

VOP aos seis meses de idade

Este esquema sequencial está indicado para crianças até quatro anos e 11 meses e 29 dias

Dose: 0,5 ml, via intramuscular

Vacina Poliomielite 1, 2 e 3 (atenuada) – VOP

Esquema:

Administrar uma dose, aos seis meses de idade.

Reforço:

Administrar o primeiro reforço aos 15 meses de idade e o segundo reforço aos quatro anos de idade.

Dose: duas gotas, exclusivamente por via oral.

http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/leia-mais-o-ministerio/764-secretaria-svs/vigilancia-de-a-a-z/poliomielite-paralisia-flacida-aguda/13462-vacina-polio

Porque-devo-vacinar-o-meu-bebe1-e1431351791630

Doping esportivo. Conheça a lista (medicamentos utilizados com frequência)

O que é?

O doping esportivo é a utilização, por um atleta, de substâncias não naturais ao corpo para melhorar seu desempenho de forma artificial.

doping-no-esporte-3-638

Atualmente, durante competições esportivas internacionais, os jornais publicam escândalos envolvendo técnicos e atletas pegos no exame antidoping.

História

ABAAABd2EAG-1

O uso ilícito de substâncias – medicamentos,  hormônios, entre outras – como artifício para ganhar competições esportivas é muito antigo.

slide_32

Já nos Jogos Olímpicos da Grécia, cerca de três séculos antes de Cristo, havia uma regulamentação para evitar que os competidores tivessem o baço arrancado.

ABAAABd2EAG-2

Acreditava-se que com o esforço físico dos maratonistas, este órgão poderia endurecer e prejudicar o resultado.

Sofisticação

Ao longo dos anos, esse tipo de artimanha tem se sofisticado. Ao mesmo tempo em que as substâncias e os fármacos são aprimorados para passarem despercebidos nos exames de urina e de sangue feitos nos atletas, os próprios métodos de detecção também se sofisticam.

1625

Hormônios

Assim, é difícil haver dúvida nos resultados, conforme explica Jair Rodrigues Garcia Junior, professor universitário de Educação Física, ainda que algumas substâncias sejam parecidas com as produzidas pelo corpo humano.

rebeca_antes_e_depois

“As mulheres, por exemplo, também produzem hormônios masculinos, porém, em pequenas quantidades. Quando elas usam esteroides para aumentar a força muscular, os exames detectam a quantidade de hormônio artificial no corpo, porque a excreção na urina é diferente da natural”, afirma o professor.

1373974105_alto-vale-esportes

Troca de urina

O que complica para determinar se um atleta usou ou não doping, é que muitos trocam a urina a ser examinada por a de outra pessoa, sem resquícios dos medicamentos ou drogas. Por isso, os comitês esportivos internacionais agora também pedem DNA da urina, quando necessário.

8c550ac4-a6a3-47ed-9dd3-53af27ba2971_463x347

Teste nos treinamentos

Para o doping não deixar traços, muitos atletas deixam de usar as drogas no período de competição, mas já foram “beneficiados” por seus efeitos. “Agora alguns campeonatos começam a realizar os testes ainda no período de treinamento para evitar isso”, diz o professor Jair.

Arnold.jpeg

Atletas sabem

Como o doping é mais comum em competições importantes, geralmente internacionais, os envolvidos são esportistas de muita experiência. “Dificilmente um atleta desse nível profissional não sabe que as substâncias são ilícitas, especialmente porque a maioria delas é injetável e é preciso a concordância dele para a aplicação. Por isso, não se pode culpar somente os treinadores”, afirma.

biceps-doping-g-20130219

Substâncias de uso medicinal

A dificuldade em combater o doping se dá também porque praticamente todas as substâncias utilizadas são de uso médico, vendidas com receitas controladas. “Um paciente com câncer, por exemplo, usa hormônios para recuperar a força muscular”, explica Jair.

doping_06

Isso significa que por trás do doping, há sempre alguém que está descumprindo a lei e vendendo esses medicamentos sem o controle médico devido.

http://novaescola.org.br/formacao/doping-esportivo-atleta-campeonato-492977.shtml

Regras usadas para todo atleta

1 – Exames antidoping a qualquer momento, isto é, qualquer dia do ano e em qualquer lugar que ele esteja;

WadaCasos-de-doping-por-esporte

2 – O atleta recebe orientação verbal e uma cartilha com todas as instruções necessárias, como a de nunca utilizar medicamentos ou simples suplementos sem orientação do médico do esporte da sua equipe. O cuidado é tanto, que nem sequer água sem origem, pomadas ou alimentos, ou seja, nada deve ser consumido por conta própria.

Diga-não-notícia

Atletas, em geral, seguem alertas e recomendações, mas vez ou outra ainda ocorrem casos de doping.

Como explicar?

Anos para se alcançar o nível de elite são jogados fora com explicações no mínimo bizarras. Os atletas do atletismo pegos no doping em 2009 – dizendo que nem sabiam o que era! – tiveram como agente da ilegalidade um não-médico, que por conta própria aplicou injeções de EPA.

doping

Internet

Uma famosa nadadora foi pega no exame antidoping em junho de 2011 porque comprou pela internet para experimentar, o estimulante “1MR”, composto de 300 mg de cafeína, 30% de guaraná, 25% de chá mate e o proibido DMAA.

Nadadores brasileiros tomaram cápsulas de cafeína (liberada), contaminadas por anoréxico na sua preparação.

doping-2

http://globoesporte.globo.com/eu-atleta/noticia/2012/06/doping-conheca-substancias-proibidas-mais-comuns.html

Veja a lista de substâncias:

lista_proibida

Saiba mais:

O esporte sofreu inúmeras transformações desde as competições esportivas da antiguidade. O desenvolvimento do esporte foi amplamente influenciado pelas transformações ocorridas na sociedade, trazendo novos valores e objetivos para o esporte.

2013-02-05_Doping_1500px_srgb-550x366

A influência da mídia, assim como os altos investimentos, transformaram a busca pela vitória. O que antes era visto no esporte como uma forma de superação, de comparação de habilidades passou a ser visto como uma mercadoria.

O esporte envolve, hoje, relações interdisciplinares complexas e as formas, de aumentar drasticamente o desempenho têm chamado a atenção de diversas áreas.

As competições esportivas deveriam ser pautadas pela igualdade de oportunidades, onde vence o melhor, o que mais trabalhou para alcançar resultado.

Ao contrario, as competições entre atletas de alto-rendimento são pautadas pelo resultado, pela busca da vitória a qualquer custo, reforçando o uso de recursos que viabilizem a obtenção da vitória. Dessa forma, atletas utilizam a melhora da performance como uma justificativa para o uso do doping.

doping-no-esporte-19-638

O doping

Por definição é considerado doping o uso de substâncias ou métodos capazes de aumentar artificialmente o desempenho esportivo e que estejam listados pela WADA-AMA/IOC (World Anti-Doping Agency/International Olympic Committee) sejam eles potencialmente prejudiciais á saúde do atleta ou a de seus adversários, ou contrário ao espírito do jogo.

formula-da-incerteza

O controle de doping é regulamentado pelo Comitê Olímpico Internacional, pelas Federações Internacionais e mais recentemente pela WADA-AMA.

Anualmente a WADA divulga uma lista em que são oferecidas explicações a respeito das substâncias e métodos proibidos. A ideia básica é a de que os esportistas em geral conheçam a lista das drogas e dos métodos a serem evitados, assumindo a co-responsabilidade pelo processo de controle de uso na prática esportiva.

a04f07

Fazem parte da lista: substâncias como agentes anabólicos, hormônios peptídicos, fatores de crescimento e substâncias afins, beta-2 agonistas, antagonistas de hormônios e moduladores, diuréticos e outros agentes mascarantes.

ilustraesporte_3730965-3730972

Além de estimulantes, narcóticos, canabioides e glicocorticoides; entre os métodos proibidos constam o aumento da transferência de oxigênio (aumento artificial da captação de oxigênio, manipulação do sangue para aumentar a taxa de transporte de oxigênio), manipulação química e física e doping genético; algumas substâncias são específicas para alguns esportes como, por exemplo, álcool e beta-bloqueadores.

ben-johnson-editado-580x348

Histórico do doping

O uso de substâncias que aumentem o rendimento físico é quase tão antigo quanto o desenvolvimento das atividades físicas organizadas, seja no oriente, ocidente, nas sociedades simples ou complexas, esteve presente à utilização de alguns artifícios (físico, químico, psicológico) destinados a aumentar as capacidades físicas humanas.

Desde os primórdios da humanidade o homem usa de suas capacidades físicas para sobreviver e desde então há registro do uso de substâncias para o aumento do rendimento no trabalho, na caça, entre outras atividades.

WadaCasos-de-doping-em-2014

O uso de drogas e métodos entre os atletas para melhorar o desempenho físico é tão antiga quanto à história do esporte em si e tem sido uma característica da competição humana desde então. O conhecimento em desenvolvimento e uso de diferentes drogas e substâncias foram descritas em várias culturas durante a história, como entre os antigos egípcios, atletas gregos e gladiadores romanos que utilizavam chás de ervas e cogumelos, assim como os chineses que já conheciam os efeitos da efedrina.

doping-atletas-getty-images

A “profissionalização” do esporte ocorreu a partir de 400 a.C., com prêmios elevados para os vencedores, resultando numa “casta” de desportistas muito bem pagos e prestigiados, os quais recebiam premiação em dinheiro, moradia, alimentação, isenção de impostos e do serviço militar. Tal valorização levou à profissionalização do esporte, resultando em sua comercialização e uma conseqüente corrupção do sistema.

Nas primeiras edições modernas dos Jogos Olímpicos, o doping era raro, mas não ilegal. Uma das misturas dopantes mais usadas consistia em um coquetel com cocaína, cafeína e estricnina.

doping-no-esporte-5-638

O primeiro caso fatal de doping que se tem notícia ocorreu em 1886 com um ciclista francês. No ciclismo usavam-se intensivamente as speed balls, mistura de cocaína com heroína. O fato chamou a atenção do meio esportivo, foi iniciada então, a luta moderna pelo controle do doping.

Na virada do século XXI, o controle de dopagem no esporte adquiriu uma maior sofisticação, englobando também, drogas sociais, banindo em várias modalidades desportivas a cocaína e alucinógenos derivados de anfetaminas e, de modo inovador, o consumo de maconha.

doping-corrupcao-palestra360-m

A sofisticação da dopagem acompanha a evolução da farmacologia. Novas drogas com finalidade terapêutica, cada vez mais passam a ser usadas pelos seus efeitos terapêuticos e colaterais.

Assim, atletas abusam do uso de beta-agonistas conhecidos como antiasmáticos (clembuterol, salbutamol, terbutalina) pelo seu efeito colateral anabolizante. Da mesma forma, são empregados insulina e seus análogos, hormônios de crescimento e gonadotrofina coriônica humana.

dopingnoesporte_artenicolaugalvao

O combate ao doping no esporte na sua forma moderna teve início na década de 60. Segundo relatos, cerca de 30% dos participantes dos eventos desportivos internacionais faziam uso de algum tipo de estimulante químico.

Em 1967, o COI condenou a prática do doping, apresentando uma lista de substâncias consideradas proibidas e iniciou o controle antidoping. O ano de 1968 com os Jogos Olímpicos de Inverno na França, e os Jogos Olímpicos de Verão na cidade do México pode ser considerado o marco do controle de doping no esporte.

e6

A luta contra a dopagem compreende, idealmente, não só a programação de controles antidoping durante e fora de competições esportivas, mas especialmente uma conscientização e orientação dos atletas a respeito desta importante temática, bem como de um processo de julgamento no tempo e na forma adequada dos atletas quando ocorre um resultado analítico adverso no laboratório.

suplementar-no-final-de-semana

O fenômeno esportivo

Desde o surgimento de atividades físicas com a finalidade de competição até aos grandes espetáculos dos dias atuais, o esporte passou por inúmeras transformações. Os valores do esporte, a própria prática da modalidade, as técnicas, os equipamentos as regras, tem sido alteradas, acompanhando assim, as transformações que ocorrem na sociedade, refletindo em seu ambiente os avanços científicos, tecnológicos e os valores criados e desenvolvidos pelos indivíduos.

Atualmente, o esporte de alto-rendimento pode ser caracterizado pela competição, pela superação de marcas ou índices e pela obtenção de títulos.

jornal-the-sunday-times-revela-suposto-escandalo-de-doping-1459682121106_615x470

Os eventos promovidos pelo Comitê Olímpico Internacional e pelas Federações Internacionais, nas últimas décadas transformaram-se em megaeventos, movimentando grandes somas e mobilizando um universo que transcende os atletas e seus treinadores. Os exemplos mais típicos são os Jogos Olímpicos e as Copas do Mundo de Futebol, eventos capazes de gerar as maiores verbas do planeta em relação a sua organização e realização.

O crescimento da importância do esporte, em decorrência dos grandes investimentos e do lucro gerado pelo fenômeno esportivo, gerou modificações em relação ao papel do atleta. Além disso, a influência da mídia acelerou a entrada de valores financeiros elevados e crescentes nas estruturas esportivas internacionais e tem direcionado os rumos do esporte no planeta, influenciando as metas e modificando os objetivos originais do fenômeno esportivo.

savedpicture-2013416132733

A participação nos Jogos Olímpicos ganhou novos significados e passou a representar muito mais do que uma comparação de habilidades ou técnicas, mas a venda de idéias ou produtos.

Os atletas, antes amadores, passaram a viver do esporte. A busca pela vitória tornou-se uma espécie de mercadoria. Os meios utilizados para obter êxito e a crescente evolução nas áreas do treinamento e da tecnologia, obrigaram os organizadores do esporte a estabelecerem certos limites.

ABAAAfiQIAF-1

Motivos para a utilização do doping

Na Antiguidade, quando gregos competiam, a busca pela vitória era fundamentada no superar-se, no romper barreiras individuais, para então alcançar o seu máximo na competição em que participava e assim aproximar-se de uma condição divina.

A vitória sobre o adversário era uma decorrência desse processo. Então, os vitoriosos seriam todos aqueles que superassem seus limites físicos e morais.

O recorde, com a ideia de valorização social, através dos dados numéricos, nasceu com o esporte moderno e se fortalece, cada vez mais, no esporte contemporâneo.

slide_22

Mais fortemente, no século XIX, a valorização das marcas se fez presente no mundo esportivo e o recorde adquiriu uma importância excepcional. Assim, a prática esportiva, com o objetivo de atingir os melhores resultados dentro da competição, continua a firmar-se como um espaço de realização e de confirmação de competências pessoais e sociais.

A razão física para o uso de drogas no esporte e mais recentemente, pela remodelação genética é melhorar o desempenho, dando-lhe um maior poder competitivo. A razão psicológica de dopar-se reflete em sua raiz um alto grau de exigência (intrínseca e extrínseca) e de responsabilidade.

image

As pressões familiares, sociais e econômicas, além da influência da mídia, transformam o atleta em um instrumento da vontade alheia, retirando sua capacidade de discernir onde se situam os limites éticos, morais e de segurança de seu comportamento. Muitas vezes o doping é diretamente incentivado por dirigentes, empresários, treinadores, médicos, “amigos” e familiares.

O atleta que utiliza estimulação artificial opta por esta conduta porque se sente inseguro, acreditando não ser capaz de corresponder às suas expectativas e de muitas outras pessoas, ainda mais quando a sociedade atual tem como parâmetro produtivo a realização de resultados, e no esporte essa lógica é imediata e evidente.

Além disso, quando um atleta faz uso de substâncias dopantes ele busca não somente a vitória e o prazer que esta lhe proporciona, mas os desdobramentos como retribuição financeira e prestígio social.

slide_8

Numa perspectiva histórica fica demonstrado que atletas são influenciados pelo aspecto socioeconômico levando-os a exceder seus próprios limites, em muitos casos o esporte representa, a chance de ascensão social e econômica para os menos favorecidos.

Os atletas de alto nível permanecem em uma luta constante por sua posição, assim os atletas dependem de seu rendimento, o qual tem de maximizar em curtos períodos de tempo, pois geralmente, suas carreiras são bastante curtas, esse pode ser um dos argumentos utilizados para justificar a ideia de ganhar “a qualquer custo”.

Não acreditam em si próprios e em sua capacidade e vêem em seu corpo um obstáculo para realizar o sonho de ser campeão, e assim recorrem à dopagem para compensar o que julgam ser defeito da natureza. Assim, avaliações negativas e conceitos pessimistas de si próprio, empurram o atleta para o doping.

Doping e ética

A competitividade e a busca constante por rendimentos superiores são padrões de comportamento entre atletas e a população em geral. Os campeões são vistos como importantes referências de identificação para a sociedade e quando utilizam substâncias ilícitas para vencer, teme-se que, não só estejam prejudicando a si mesmos, mas também a imagem do esporte.

A questão do doping no esporte envolve sérias questões éticas. Usualmente, assume-se como certo que o uso de drogas proibidas é antiético, especialmente pelo fato de que se busca recurso não natural para aumentar a performance, atentando-se contra a honestidade na competição, inclusive com riscos para a própria saúde.

tabela-doping2

O doping no esporte tem sido tratado de maneira consensual, como um ato antiético. Burlar a lei das substâncias e dos métodos proibidos para vencer a qualquer preço parece caracterizar um comportamento injusto com os outros, contrário à comunidade em que se está inserido e, por isso mesmo, eticamente condenável.

O doping constitui-se num grande problema do esporte contemporâneo. Apesar do discurso quase hegemônico de condenação desta prática, a eliminação doping do cenário esportivo parece ainda distante.

veterinaria-esportiva-24-728

O uso de doping configura uma manipulação e alteração da natureza. Com a intervenção de substâncias químicas torna-se possível alcançar resultados inatingíveis por meios naturais. O recurso do doping rouba o otimismo, o entusiasmo, e a crença do atleta nas suas possibilidades de superação e aprimoramento; destrói o sentido do trabalho, do esforço, da persistência, substituindo esses valores pela triste mentalidade da esperteza, da farsa.

 

Considerações finais

A vitória, o resultado, se mostram como uma condição básica do esporte atual, com isso atletas e envolvidos com o meio esportivo buscam cada vez mais recursos que viabilizem o alcance de seus objetivos.

Com a profissionalização do esporte, atletas passaram a se dedicar integralmente ao alcance de suas metas. Muitos atletas são vistos como heróis servindo de referência de identificação para a sociedade. Assim o espetáculo esportivo promovido por esses atletas passou a ser vendido como mercadoria, atraindo grandes investimentos e também a atenção da mídia.

Atletas são pressionados constantemente à conquista de resultados cada vez melhores, muitas vezes em um curto período, com isso atletas se sentem inseguros, sentindo-se incapazes de corresponder suas próprias expectativas e as de outras pessoas. Assim visando o resultado, esses atletas acabam recorrendo ao uso do doping.

g_charge-humor-esporte-clube-ilustracao-russia-putin-jogos-olimpicos_1414460

Ao utilizar substâncias dopantes e recursos ilegais com o intuito de melhorar o desempenho, os atletas não buscam apenas superar os adversários em busca da vitória, há também a busca pelo status, pelo prestígio social e principalmente pela retribuição financeira.

Apesar dos avanços tecnológicos para a detecção do uso substâncias dopantes por atletas de alto-rendimento, o controle anti-dopagem ainda não é totalmente seguro, favorecendo aos atletas desonestos que utilizam meios ilegais para se sobrepor a outros competidores.

http://www.efdeportes.com/efd180/o-uso-do-doping-no-esporte.htm

Grupos sanguíneos: informações para os pais.

d6f5260a7fd6582640790b749d674d98

Alguns pais referem dúvidas sobre a possibilidade de seu filho apresentar grupo sanguíneo diferente do seu.

A ignorância tende a agravar a situação e muitas vezes cabe ao pediatra esclarecer, por exemplo, que um homem A+ e uma mulher B+ podem gerar uma criança O- (negativo).

formul1

Introdução

slide_34

O Sistema ABO foi o primeiro sistema de grupos sanguíneos. Em 1900, Landsteiner descreveu os antígenos A, B e C (depois renomeado como O).

Ao observar muitos acidentes em transfusões,  provou que a espécie humana possui grupos sanguíneos diferentes.

slide_2

Notou-se em testes que as hemácias do doador, em alguns casos, aglutinavam em contato com plasma do sangue do paciente.

A partir disso, foi possível relacionar o fenômeno das reações entre anticorpos e antígenos.

ABO

Antígenos x anticorpos

Antígenos são todas as substâncias que nosso organismo entende serem “invasoras”, podendo ser uma proteína, um polissacarídeo etc.

A anticorpos são proteínas encontradas no plasma sanguíneo e têm a função de neutralizar ou destruir a substância invasora. Isso só é possível, pois o anticorpo tem uma forma complementar à do antígeno, sendo a reação antígeno-anticorpo específica.

ABAAABQT8AL-2

Genética e hematologia

O genes ABO se localizam no braço longo do cromossoma 9 (posição 9q34.1‑q34.2). Foram definidos quatro genes: A1 , A2 , B, O.

Esses genes codificam a produção de duas enzimas glicosiltransferases A e B.

hemoglobina

A transferase A α (1,3 N acetilgalactosaminil transferase), que adiciona o açúcar N acetil galactosamina e produz o antígeno A; e a transferase B (α1,3 galactosil transferase), que adiciona a galactose e produz o antígeno B num substrato precursor na membrana da hemácia, o antígeno H. O gene O não produz transferase ativa.

image639

A sequência de DNA do gene O é idêntica ao do gene A, exceto pela deleção (G‑261) na região N‑terminal, o que codifica uma proteína truncada.

O gene alelo A2 difere de A1 pela simples deleção de uma base na região C‑terminal, na posição 467, sendo o nucleotídeo T em A2 e C em A1 ; o gene A2 produz uma transferase A2 que tem uma atividade reduzida, quando comparada com a transferase A1.

ciclo de vida das hemacias

A diferença entre genes A e B são sete nucleotídeos no DNA, que resultam em quatro aminoácidos diferentes nas transferases A e B.

Sistema ABO

1-tipos-sanguíneos-sistema-ABO-reduzida

É o mais importante e mais conhecido sistema de grupos sanguíneos. Em decorrência da presença de antígenos ABO na maioria dos tecidos do organismo, trata-se mais de um sistema de histocompatibilidade, do que simplesmente de um sistema de grupos sanguíneos.

variaciones-fenotpicas-y-genotpicas-grupos-sanguneos-17-638

A atividade das glicosiltransferases dos antígenos A e B varia em diversos subgrupos do sistema ABO.

Sistema Rh

O sistema Rh é o mais complexo sistema de grupos sanguíneos. Depois do sistema ABO, é o de maior importância clínica.

maxresdefault

Descoberto em 1939, tornou-se o sistema de grupo sanguíneo com mais alto polimorfismo entre os marcadores conhecidos da membrana eritrocitária.

slide_8

Até o presente momento, 49 antígenos foram identificados no sistema Rh, e os estudos genéticos e bioquímicos têm sido caracterizados pelas controvérsias. O período de descoberta dos primeiros antígenos do sistema Rh (D, C, E, c, e)

6-A-genética-do-sistema-ABO-pais-e-filhos-reduzida

30 sistemas

As técnicas de hemaglutinação direta ou indireta permitiram o conhecimento dos grupos sanguíneos, sendo hoje relatados mais de 280 antígenos agrupados em 30 sistemas – notadamente o ABO, o Rh e o MNS, além de outros mais complexos.

8c04bee05dc0436d2aeab7e0ccc9eef3

Imuno-hematologia eritrocitária

A imuno-hematologia eritrocitária é uma ciência que estuda os grupos sanguíneos mediante a análise dos mais diversos antígenos eritrocitários e de seus correspondentes anticorpos séricos, estando diretamente relacionada a três disciplinas:

hemaceas-humanas

• Imunologia: que identifica os antígenos eritrocitários e os distribui em sistemas, e que estuda, também, as imunizações provocadas por esses antígenos e os problemas imunológicos resultantes das reações antígeno–anticorpo;

• Genética: que estuda a transmissão hereditária dos grupos sanguíneos de acordo com as leis de Mendel;

• Bioquímica: que estuda os antígenos inseridos na membrana eritrocitária como estruturas reativas (lipídeos, proteínas, glicídios). As bases científicas da transfusão de sangue foram adquiridas somente no início do século XX.

rob3000Fotolia-com2-1-400x348

GRUPOS SANGUÍNEOS

Os seres humanos apresentam quatro grupos sanguíneos:

Grupo A: Possui um antígeno chamado aglutinogênio A;
Grupo B: Possui antígeno chamado aglutinogênio B;
Grupo AB: Possui os dois antígenos, aglutinogênio A e B;
Grupo O: Não possui nenhum dos dois antígenos.

grupos sanguíneos

O gene A (ou IA) determina a formação do aglutinogênio A, o gene B (ou IB) determina a formação do aglutinogênio B, o gene O (ou i) não forma nenhum aglutinogênio e os genes A e B determinam a formação dos aglutinogênios A e B.

a2f178d4fcb33cbc8a768562319e1188

O plasma também possui anticorpos chamadas aglutininas são estas que causam os acidentes em transfusões, pois indivíduos do grupo A possuem aglutininas Anti-B, do grupo B possuem aglutininas Anti-A e os do grupo O possuem as duas aglutininas e os indivíduos AB não possuem nenhuma dessas substâncias (TABELA 1).

GENÓTIPOS GRUPO  AGLUTINOGÊNIO (nas hemácias)  AGLUTININA (no plasma) 
IA IA – IA i A  Aglutinogênio A Anti-B
IB IB – IB i B  Aglutinogênio B Anti-A
IA IB AB  Aglutinogênios AB Nenhuma
ii O  Sem aglutinogênio  Anti-a e anti-b

 

saudetala1

Testes

Para verificar a presença do grupo sanguíneo de um indivíduo, são feitos  testes, colocando uma gota de sangue do indivíduo a ser verificado nas extremidades de cada lâmina e adicionando soro contendo aglutinina Anti-A em uma das extremidades e o soro com aglutinina Anti-B no outro.

Assim, pode ser observada a  aglutinação de alguns grupos na presença do soro anti-A e/ou anti-B.

11-0

30 sistemas de grupos sanguíneos

Os sistemas de grupos sanguíneos são caracterizados por antígenos na membrana eritrocitária, com características funcionais e polimórficas definidas.

Atualmente, já foram descritos 30 sistemas de grupos sanguíneos, de acordo com a ISBT (International Society for Blood Transfusion).

BS

Medicina transfusional

Na medicina transfusional, a compatibilidade para o sistema ABO e para o antígeno D do sistema Rh é fundamental na prevenção de reações hemolíticas, embora seja desejável que outros antígenos sejam compatibilizados, especialmente C, c, E, e do sistema Rh, assim como os principais antígenos dos sistemas Kell, Kidd, Duffy e MNS.

Grupo_Sanguineos_Substancias

Rh e seus alelos

O fator Rh depende de um antígeno nas hemácias, édiferente dos aglutinogênios. O Rh+ é responsável pela presença de antígenos, e possui o alelo dominante D (ou Rd) e o Rh é responsável pela ausência do antígeno e possui alelo d (ou rh).

Quando em um casal, um indivíduo possui Rh– (negativo) possuindo alelo dd e o outro Rh+ (positivo)Dd há duas possibilidades, sendo 50% Dd (Rh+) e 50% dd (Rh).

md.0000016905

Em casos em que a mãe possua Rh e o filho Rh+, as hemácias do filho passam para a circulação da mãe, durante a gravidez e, principalmente, durante o parto.

Doença hemolítica do recém-nascido (DHRN)

O organismo da mãe, então,  estimula a produção do anticorpo anti-Rh.  Por não ter uma produção rápida, o primeiro filho nascerá sem problemas, mas, em uma próxima gestação, os anticorpos concentrados no sangue da mãe, atravessam a placenta resultando na aglutinação das hemácias do feto.

1105

A criança pode desenvolver uma doença chamada eritroblastose fetal ou doença hemolítica do recém-nascido (DHRN).

Essa doença nos casos mais graves pode levar à morte. Pode ser necessário submeter a criança à troca gradativa de seu sangue por sangue Rh.

sangue

Imunoglobulina anti-Rh

Outra forma de prevenção é a mãe Rh-,  logo após o parto, receber uma aplicação de imunoglobulina anti-Rh.

Imagem8

Dessa forma, os anticorpos destroem as hemácias positivas deixadas pelo feto e a mãe que continuará sendo Rh– poderá novamente engravidar sem correr risco para o feto, mesmo ele sendo Rh+,pois será como se fosse a primeira gravidez.

valoreseritrocito

http://educacao.globo.com/biologia/assunto/hereditariedade/grupos-sanguineos.html

Anticorpos

Os anticorpos do Sistema ABO estão ausentes no nascimento e são detectáveis após os quatro meses de idade.

Uma das teorias propostas para seu aparecimento consiste na heteroimunização (flora bacteriana intestinal, anatoxinas diftéricas ou tetânicas, soroterapia antitetânica, medicamentos de origem animal, vacina antigripal, infecção por Toxocara canis etc.).

A gravidez ABO incompatível, assim como a transfusão incompatível, pode determinar a aloimunização eritrocitária e o aparecimento das imunoglobulinas da classe IgG.

tipos_de_sangre

Os anticorpos ABO são potentes IgM ou IgG e determinam forte aglutinação direta com hemácias A ou B. São capazes ainda de ativar a cascata de complemento até C9, portanto, levando a hemólise aguda intravascular.

São extremamente importantes do ponto de vista transfusional, estando relacionados à reação transfusional grave.

globulos-sanguineos

Estão também envolvidos em casos de Doença Hemolítica Perinatal, porém, em geral, de forma clínica moderada, levando a icterícia leve. Anti‑A: ocorre naturalmente no soro de todos os indivíduos do Grupo B. Anti‑B: ocorre naturalmente no soro de todos os indivíduos do Grupo A. Anti‑AB: ocorre naturalmente no soro de todos os indivíduos do Grupo O. Anti‑A1: pode ocorrer naturalmente nos indivíduos A2 , quase sempre é uma aglutinina fria, tipo IgM, encontrada em cerca de 1% a 4% dos indivíduos A2 e em 25% dos indivíduos A2 B.

3e3f9191ec5eb2869584c15353a9c775

Geralmente não está associada a reação hemolítica transfusional ou doença hemolítica perinatal. Na presença de anti‑A1 , só é necessário selecionar hemácias A2 para transfusão se o anticorpo reagir a 37 o C.

Estudo derruba teoria da dieta do tipo sanguíneo

Ficou provado que a maneira de um indivíduo reagir a qualquer uma das dietas não tem qualquer relação com o seu tipo de sangue.

sangue-dieta-sanguinea

Um estudo feito por pesquisadores da Universidade de Toronto, no Canadá, com 1.455 pessoas, mostra que a teoria da conhecida dieta do tipo sanguíneo – que afirma que necessidades nutricionais de um indivíduo variam de acordo com tipo de sangue – não é válida.

Segundo o coordenador do estudo, Ahmed El-Sohemy, professor associado e diretor de pesquisa em nutrigenômica da Universidade de Toronto, “não foi encontrada nenhuma evidência que apoie a teoria da dieta do tipo sanguíneo”.

Tipos_de_Sangue

O estudo concluiu que a maneira de um indivíduo reagir a qualquer uma das dietas não tem qualquer relação com o seu tipo de sangue, mas sim com a sua capacidade de manter uma alimentação sensivelmente vegetariana ou pobre em carboidratos.

A dieta do tipo sanguíneo se tornou popular com o livro “Eat Right for Your Type”, de Peter D’Adamo.

A teoria por trás da dieta é que há alimentos que estimulam a perda de peso dependendo do tipo de sangue da pessoa. E prometia uma perda de até 6kg em um mês. Segundo a dieta, pessoas do grupo sanguíneo O, por exemplo, tinham dificuldade em digerir lactose do leite e seus derivados.

Grupos_sanguineos

Os do grupo A deveriam evitar carne vermelha. Para o tipo sanguíneo B, o vilão era o frango e para o AB poucos tipos de carnes eram tolerados.

O livro se tornou um best-seller pelo New York Times, foi traduzido para 52 idiomas e vendeu mais de 7 milhões de cópias.

“- Tem gente que busca o milagre do emagrecimento. E os argumentos dessas dietas famosas, como a do tipo sanguíneo, Beverly Hills, são inteligentes e conquistam essas pessoas. Mas sabemos que o que funciona mesmo é uma dieta em que se coma menos calorias do que se gasta. Este estudo é interessante porque prova que esta dieta do tipo sanguíneo é uma bobagem, sem fundamento – afirma o endocrinologista Alfredo Halpern, professor de Endocrinologia da Universidade de São Paulo (USP).

Segundo o coordenador, cada participante teve a sua dieta habitual avaliada usando um questionário de frequência alimentar. As dietas foram calculadas e pontuadas para determinar a aderência em relação a cada uma das dietas do tipo sanguíneo recomendadas, utilizando uma lista de alimentos para consumir ou evitar, de acordo com cada tipo sanguíneo.

Os efeitos à saúde foram avaliados pelos fatores de risco cardiometabólico (pressão arterial, insulina, colesterol e triglicérides). Os pacientes, que não eram obesos nem estavam em sobrepeso, foram avaliados durante um mês.

De acordo com o pesquisador, seria esperada a perda de peso naqueles que seguissem as dietas do tipo A ou AB.

“- No entanto, pessoas com sangue tipo O tiveram o mesmo benefício. Os resultados mostram claramente que algumas das dietas do tipo sanguíneo podem ser boas para uma pessoa, mas não tem nada a ver com o seu tipo de sangue. Não é uma novidade que essas dietas sejam benéficas, já que geralmente são dietas saudáveis, por exemplo, dietas vegetarianas ou pobres em alimentos processados. A teoria de que as pessoas com diferentes tipos de sangue devem comer diferentes alimentos agora foi provada ser falsa” – disse ao GLOBO o pesquisador.

“- O estudo desmistifica a tal dieta do grupo sanguíneo e mostra mais uma vez que hábitos saudáveis estão associados com menor risco cardiovascular. Faltou apenas mostrar resultados na perda de peso – avalia o endocrinologista Marcos Tambascia, chefe do serviço de Endocrinologia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).”

http://oglobo.globo.com/sociedade/saude/estudo-derruba-teoria-da-dieta-do-tipo-sanguineo-11369195

Vacina contra a dengue (entre 9 e 45 anos)

normal_286ciclo_dengue

A vacina é indicada para uso de pessoas entre nove e 45 anos, não protege contra os vírus Chikungunya e Zika

 A vacina contra a dengue possui registro concedido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

slide_7

A Dengvaxia® – vacina dengue 1, 2, 3 e 4 (recombinante, atenuada) foi registrada como produto biológico novo, de acordo com a Resolução – RDC nº 55, de 16 de dezembro de 2010. O registro permite que a vacina seja utilizada no combate à dengue. Porém, vale destacar que a vacina não protege contra os vírus Chikungunya e Zika.

download

1 – Pessoas com menos de nove anos e mais de 45 podem tomar a vacina?

A vacina está aprovada para uso pediátrico e adulto, dos nove aos 45 anos de idade. Os limites de idade foram determinados com base, principalmente, nas informações de segurança da vacina, obtidas durante a realização dos estudos clínicos.

dengue-7-728

Para crianças com menos de nove anos, o risco de complicações mais sérias ainda não foi determinado; para aqueles com mais de 45 anos de idade, não há dados suficientes para garantir a segurança da vacina.

O médico responsável poderá avaliar o risco/benefício de se utilizar a vacina em idades diferentes das recomendadas no texto da bula.

vacina-dengue

2 – Se eu tiver acabado de fazer 46 anos, posso tomar a vacina?

Como esclarece a pergunta anterior, vacina está aprovada para uso pediátrico e adulto, dos nove aos 45 anos de idade. O uso em idades diferentes das recomendadas no texto de bula deve ser discutido com o médico, que avaliará o risco/benefício da utilização da vacina.

90df28249304ec136b5ec18acc6db79d

3 – Minha filha, filho, sobrinho etc. ainda vai ter oito anos quando lançarem a vacina, mas completará nove anos logo em seguida. Ela(e) pode ser imunizada(o)?

Como a vacina está aprovada para uso pediátrico e adulto, dos nove aos 45 anos de idade, não deve ser administrada em crianças com menos de nove anos de idade Isto porque os dados clínicos disponíveis não são suficientes para concluir sobre o risco/benefício da vacinação nesta faixa etária.

slide_2

O uso da Dengvaxia® em idades diferentes das recomendadas no texto da bula deve ser discutido com o médico, que avaliará o risco/benefício da utilização da vacina.

Infografico

4 – A vacina também imuniza contra a Chicungunya e contra o Zika vírus, transmitidos pelo Aedes aegypti?

A vacina não protege contra os vírus Chikungunya e Zika. A Dengvaxia® é uma vacina utilizada para ajudar a proteger contra a dengue causada pelos sorotipos 1, 2, 3 e 4 do vírus da dengue.

03

A vacina é aplicada em adultos, adolescentes e crianças dos nove aos 45 anos de idade que moram em áreas endêmicas (áreas em que a dengue esteja sempre presente).

Gráfico-Vacina-Dengue

5 – Se eu tomar duas doses da vacina e esquecer de tomar a última, estarei imunizado?  Se eu tomar apenas uma dose, a vacina vai fazer efeito?

O esquema de vacinação aprovado consiste de três injeções a serem administradas em intervalos de seis meses.

A vacina começa a fazer efeito a partir da primeira dose. No entanto, a eficácia só foi demonstrada após a aplicação das três doses.

dengue

6 – Qual deve ser o intervalo entre as doses da vacina?

O esquema de vacinação consiste de três injeções a serem administradas por via subcutânea, em intervalos de seis meses.

0,,14331215-EX,00

7 – A vacina é contra indicada para pessoas com algum tipo de alergia?

A vacina é contraindicada para uso por pessoas que são alérgicas (hipersensíveis) aos princípios ativos ou qualquer outro ingrediente da Dengvaxia® e por pessoas que desenvolveram uma reação alérgica após a administração prévia da Dengvaxia®.

palestra-de-dengue-7-638

Os sinais de uma reação alérgica podem incluir urticária, encurtamento da respiração e inchaço do rosto e da língua.

8 – Eu já tive dengue. Posso tomar a vacina?

Sim, pode. A vacina foi aprovada tanto para pessoas que nunca tiveram dengue  como para aquelas que já tiveram a doença.

30d9cc1bbac7c5c63b362dc4a5f66e2d

9 – Se eu estiver com dengue, posso tomar a vacina?

Não. A vacina não trata a doença, ela a previne. Com o restabelecimento da saúde, a vacinação pode ser considerada, após avaliação do médico.

2000px-Dengue_fever_symptoms.svg

10 – Grávidas podem tomar a vacina?

Não, essa é uma contraindicação da vacina. Dengvaxia® é uma vacina de vírus vivos atenuados, contraindicada para gestantes (não foram avaliadas nos estudos clínicos).

Dengue-cartaz_

11 – A vacina dá febre? Quais os principais efeitos colaterais?

É possível que a vacina provoque febre e outros efeitos adversos, embora isso não ocorra com todas as pessoas. As reações adversas mais frequentes observadas nos estudos clínicos foram febre, dor de cabeça, dor no local da injeção, mal-estar e dor muscular.

Outras reações comuns foram reações no local da injeção, como vermelhidão, hematoma, inchaço e coceira.

Reações mais raras foram: endurecimento no local da injeção, doença semelhante à gripe, dor no pescoço, dor nas articulações, vermelhidão intensa, urticária, náusea, dor na boca e garganta, tosse, nariz escorrendo, tontura, enxaqueca, inchaço dos linfonodos (linfoadenopatia) e infecção do trato respiratório superior (nariz, boca, faringe e laringe).

dicas-dengue2

12 – Posso doar sangue depois de tomar a vacina?

Como a vacina contra a dengue é uma vacina com vírus vivos atenuados, é necessário aguardar um período de quatro semanas após a vacinação para realizar a doação de sangue.

vacina-contra-dengue

13 – Quanto dias depois de tomar a vacina estarei imunizado e protegido contra a dengue?

Como o esquema de vacinação consiste de três doses que devem ser administradas em intervalos de seis meses, a proteção contra a doença será atingida após a administração do esquema completo de três doses, ou seja, um ano depois da administração da primeira dose.

Dengue_testing_pt

14 – Mesmo depois de tomar a vacina devo continuar usando repelente contra o mosquito?

Sim. a vacinação não é um substituto para a proteção contra as picadas de mosquitos.

Imagen2

Devem ser tomadas as precauções apropriadas para prevenção das picadas de mosquito, incluindo o uso de repelentes, roupas adequadas e redes de proteção contra mosquitos.

A vacina apenas oferece proteção contra a dengue causada pelos sorotipos 1, 2, 3 e 4 do vírus da dengue.

dengue-destacada

O mosquito transmissor da dengue é ainda responsável pela transmissão de outros vírus, como o Zika e Chikungunya, para os quais a vacina contra a dengue não oferece proteção.

infogrfico05.01Vacinacontraadengue01

15 – Quem não deve usar a vacina?

Crianças com menos de nove anos, mulheres grávidas ou que estejam amamentando, pessoas alérgicas aos componentes da vacina, pessoas que tenham fenilcetonúria e aquelas com um sistema imunológico enfraquecido ou que recebam orientação médica específica.

Dengue

16- A vacina pode causar dengue hemorrágica?

Não. Nos estudos clínicos, a vacina reduziu consideravelmente os casos de dengue grave e de febre hemorrágica da dengue.

vacina-sanofi

17 – Qual a composição da vacina?

A vacina é constituída por vírus vivos atenuados obtidos por tecnologia de DNA recombinante, combinando o vírus atenuado da febre amarela e os quatro sorotipos dos vírus da dengue.

2425_med_dengue-1-ie

18 – Posso tomar outras vacinas junto com a vacina contra a dengue?

A Dengvaxia® não deve ser administrada com nenhuma outra vacina ou produto farmacêutico injetável.

mosquito

Nenhum estudo específico foi realizado sobre a administração concomitante da vacina contra a dengue e de qualquer outra vacina ou produto farmacêutico.

Após a avaliação médica, caso seja necessário administrar concomitantemente alguma outra vacina ou produto farmacêutico, devem ser usadas seringas e agulhas diferentes, e  a aplicação deve ser feita em diferentes partes do corpo. Nos estudos clínicos, a vacina reduziu consideravelmente os casos de dengue.

FOLDEROK.indd

Fonte: Portal Brasil com informações da Anvisa

http://www.brasil.gov.br/saude/2016/01/saiba-mais-informacoes-sobre-a-vacina-da-dengue-1